Prajna | 3 perguntas para encontrar o caminho de volta do labirinto chamado “sofrimento”

Prajna-3-perguntas-para-encontrar-o-caminho-de-volta-do-labirinto-chamado-sofrimento
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Prajna” significa sabedoria e “Paramita” a perfeição além de extremos. A maneira como pensamos tem fronteiras baseadas em polos, digamos assim: norte/sul, esquerda/direita, otimismo/pessimismo.

Prajna serve como uma ponte entre a realidade aparente, convencional, geralmente baseada nos scripts dos seis reinos.

Uma vez que a nossa mente se encontra, com foco, sem escorregar ou agarrar o fluxo desenfreado de pensamentos, aplicamos o selo de Prajnaparamita a esse estado calmo, claro e estável.

Essa inteligência é a nossa segurança, no sentido de apontar uma abertura de ação além de “isso é ou isso não é”. Podemos, a partir de Prajna, rir um pouco mais das nossas seriedades e como a mente se engana.

Você pode então se perguntar: o que Prajna tem a ver com o sofrimento?

Um labirinto chamado sofrimento

No budismo, temos a definição de verdade relativa e absoluta, última. A primeira diz respeito ao modo usual, sobre como nós nos relacionamos com as coisas a partir da causalidade (objetivos, metas, propósitos), ou seja, como damos as aparências o poder de dirigir a nossa vida e nos abalamos com isso?

verdade,  evidencia a plasticidade das aparências como um exercício natural da natureza da mente em se manifestar como algo particular, dentro de um jogo particular e que tem como resultado o sofrimento. 

Se desconhecemos essa relação (relativo/absoluto) e tendemos a retificar a ignorância quanto a esses processos sutis da mente, acabamos presos no labirinto da mente.


Inscreva-se para receber os informativos gratuitos da Roda do Darma por e-mail .



“Sutil” se refere aos processos de estarmos conscientes com o olhar mais refinado da meditação e sua regularidade. Diz respeito a olhar para dentro, você tem um mundo interno, certo?

Utilizamos de Prajnaparamita para revelarmos a falácia do sofrimento e revertermos esse processo. Veja, não estou dizendo que o sofrimento não vai aparecer, mas que se nos familiarizarmos sobre o seu processo na totalidade, não apenas parcialmente, estaremos mais aptos a sair desse labirinto com mais leveza e rapidez. 

O que tem a dizer um praticante de Prajnaparamita sobre o sofrimento?

Sobre a relação entre Prajna e o sofrimento, o grande mestre Dilgo Khyentse Rinpoche afirma:

São as nossas mentes que nos puxam descontroladamente no ciclo da existência. Cegos à natureza verdadeira da mente, nos fixamos em nossos pensamentos, que na verdade são apenas manifestações dessa natureza.

Pela fixação, o estado desperto é congelado em conceitos rígidos como “eu” e “outro”, “desejável” e “repulsivo”, e muitos outros. É assim que criamos o samsara.

Mas se pudermos derreter o gelo dessas fixações seguindo as instruções de um professor, o puro estado desperto recupera sua fluidez natural.

Para dizer de outro modo, se você cortar uma árvore em sua base, o tronco, galhos e folhas caem todos juntos. Similarmente, se cortar os pensamentos em sua raiz, toda a ilusão do samsara vai entrar em colapso.

Tudo que vivenciamos — todos os fenômenos do samsara e nirvana — aparecem com a claridade vívida de um arco-íris e, assim como um arco-íris, são vazios de qualquer realidade tangível.

Quando você reconhecer a natureza dos fenômenos — manifestos e simultaneamente vazios — sua mente será libertada da tirania da ilusão.

Apenas sua mente lhe aprisiona ou liberta

Reconhecer a natureza última da mente é realizar o Estado de Buda. Falhar em reconhecê-la é mergulhar na ignorância. Em todo caso, é sua mente, apenas sua mente, que te liberta ou amarra.

Isso não significa contudo que a mente é uma entidade a ser trabalhada, como um pedaço de barro que um artesão precisa moldar. Quando o professor introduz o discípulo à natureza da mente, ele não está apontando para nenhum objeto concreto. Quando o discípulo procura e acha essa natureza, ele não se apodera de alguma entidade que pode ser capturada.

Reconhecer a natureza da mente é reconhecer sua vacuidade. Isso é tudo. 

É uma realização que acontece no reino da experiência direta e não pode ser expressa em palavras.

Esperar que tal realização seja acompanhada de clarividência, poderes miraculosos e outras experiências extraordinárias seria se iludir. 

Apenas devote-se ao reconhecimento da natureza vazia da mente!

Sobre as três perguntas para encontrar o caminho de volta do labirinto chamado de sofrimento, melhor ouvir o podcast. Trago alguns exemplos, práticos e diretos.

Ouça agora o PODCAST 3 perguntas para encontrar o caminho de volta do labirinto chamado “sofrimento



REFERÊNCIAS



Participe!

Author Details

Ajudo pessoas a partir do Darma a se tornarem responsáveis por seus mundos internos. Desse modo, facilito a harmonia individual, familiar e social. Aluno de Lama Padma Samten desde 2011. Tutor no CEBB.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *