Padmasambhava e os obstáculos no Tibete

padmasambhava
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Durante o tempo em que o Grande Rei do Tibete, Trisong Deutsen, convidou Padmasambhava para estabelecer os ensinamentos de Buda na “Terra das Neves”, haviam muitos espíritos poderosos na região. O rei solicitou Padmasambhava para construir o primeiro mosteiro do Tibete, “Samye“.

Durante o dia inteiro as pessoas construíam e à noite as poderosas entidades locais desconstruíam os dias de trabalho. Padmasambhava, com sua grande sabedoria enraizada em seu completo e absoluto desprendimento, que surge espontaneamente como compaixão infinita, sabia o que fazer. O que fazer com que os seres sejam cheios de ódio, malevolência, criem dano?

Todos os seres são inerentemente iluminados, gentis, amorosos, compassivos. Aqueles que criam negatividade estão mais distantes da verdade de sua própria natureza. Suas ações prejudiciais são apenas uma expressão de sua dor. Quanto mais negatividade se possui, mais desconectados estão de sua verdadeira natureza. Padmasambhava, com seu imenso poder e compaixão de um ser totalmente desperto, ordenou que os espíritos malévolos viessem.

Ele ofereceu a eles o melhor da comida e bebida, como convidados de honra, e a partir dessa substância externa da oferta, ele manifestou tudo e qualquer coisa que eles poderiam querer, com o desejo de que eles fossem felizes.

Mosteiro de Samye.

Ele derramou sobre eles o poder do grande amor, que transformou seus corações maus em querer servi-lo, tornar-se como ele. Nele, eles finalmente encontraram um refúgio e se afastaram de seus caminhos prejudiciais. O Buda disse: “O ódio nunca será superado pelo ódio. O ódio só será superado pelo amor. Esta é uma verdade eterna. ” O poder de Padmasambhava veio de seu perfeito desprendimento que se manifesta como compaixão infinita. Todos nós temos isso, todos os seres têm isso, quanto mais revelamos isso dentro de nós mesmos, mais podemos extrair isso nos outros.

Que os protetores do dharma protejam os ensinamentos. 

Que eles ajudem a nos proteger dos “inimigos internos” – as emoções perturbadoras do apego, estupidez, ciúme, raiva e orgulho. 

O Buda disse: “O ódio nunca será superado pelo ódio. O ódio só será superado pelo amor. Esta é uma verdade eterna. ”

Que eles possam ajudar a pacificar e controlar essas emoções. Essa é a proteção que eles fornecem aos praticantes do dharma.

Que os protetores do Dharma nos impeçam de entrar em situações de más condições e nos ajudem a encontrar as melhores condições para despertar nossa natureza búdica. Em outras palavras, elem nos protejam contra obstáculos à iluminação.


Tradução livre para português brasileiro de Simdha Getul Rinpoche em seu perfil pessoal.

Autor
Coordenador
Praticante budista e instrutor de meditação. Desde 2011 dedica seu tempo à descoberta do coração desperto (bodicita), a partir dos ensinamentos de Buda e nas instruções práticas de Lama Padma Samten. Casado, pai de 2 filhos, é coordenador da Roda do Darma e tutor no CEBB.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *