Como começar na Prajnaparamita?

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Prajnaraparamita, por vezes, pode parecer um pouco obscura e nebulosa. A seguir, temos algumas formas de começarmos a abrir os olhos com esse colírio de lucidez.

Importância da Prajnaparamita

O Lama Padma Samten aponta a importância desse ensinamento:

O Prajnaparamita pode ser entendido como o barco que nos leva para a outra margem. Atravessamos da margem da ignorância para a margem da liberação. Ou seja, ele representa um trajeto. Não é a descrição do que poderíamos fazer a partir da outra margem, e sim a descrição do caminho que nos leva de uma margem a outra. Vai utilizar o que se chama a “dupla realidade”.

Nós temos a visão comum e temos a visão extraordinária, obtida a partir da visão comum. Essa sabedoria do Prajnaparamita é chamada em tibetano sherab.


Como começar na Prajnaparamita?

Há várias formas de se iniciar os estudos sobre Prajnaparamita:

Pujas

Uma delas é começarmos pelo contato com os pujas, recitando o Sutra do coração.

Estudando o Sutra do coração – o raio-x da mente do Buda

Há um momento em que vamos olhar novamente para o texto em questão e termos um “click” interno. Cada linha do Sutra passa a nos inspirar um olhar mais apreciativo e investigativo – no sentido de olhar com mais lucidez e profundidade para as coisas ao redor.

Então, vamos procurar entender linha-a-linha o que está sendo apresentado ali. Não apenas intelectualmente, mas com exemplos, como um exercício de se colocar no mesmo lugar sutil de onde todo o texto brota. Prajnaparamita é o atalho para descortinarmos o samsara e vermos a mente búdica operando sem dúvidas em todas as direções.

Então, pode ser que brote em nós uma aspiração de querer ver todo o conteúdo como uma forma de ação da mente, da mesma forma que o venerável Sariputra: “Como deveria proceder o filho ou a filha de nobres qualidades que quisesse praticar a profunda Prajnaparamita?”

Roteiro de meditação da Prajnaparamita em oito pontos

Nós começamos a perceber que o quê está sendo apresentado ali é um roteiro de prática propriamente dito e não apenas um texto complexo sobre a apresentação da realidade última, vacuidade, luminosidade, etc. É algo que serve para além do aperitivo, do intelecto… Somos convidados a contemplar a coemergência, ou seja, a inseparatividade do que quer que apareça como expressão de luminosidade e vacuidade, um exercício de liberdade dessa mente mais ampla: sabedoria primordial.

Sugestão de percurso

  1. Lembrar da motivação correta quantas vezes for necessário;
  2. Dar uma revisada no roteiro de 21 itens – é bom termos uma ideia do início, meio e fim do caminho: sabermos o trajeto como um todo;
  3. Recitar o Sutra do Coração como um lembrete diário da prática; Se desejar, acumular o mantra da Prajnaparamita;
  4. Estudar linha-a-linha o Sutra do coração até que aquilo fique claro, como uma perspectiva de visão disponível;
  5. Praticar o olho de Prajna com o roteiro de meditação em oito pontos;
  6. Lembrar da motivação correta quantas vezes for necessário.

Sobre o autor

Desde 2011, dedica sua atenção e curiosidade à meditação e a sabedoria milenar do Darma. É aluno de Lama Padma Samten. Praticante no CEBB Recife (PE).

12 comentários em “Como começar na Prajnaparamita?

  1. Pingback: O que acontece na mente durante a meditação? | Roda do Darma

  2. Pingback: Livros para quem quer começar no budismo | Roda do Darma

  3. Pingback: O que é e como praticar coemergência? | Roda do Darma

  4. Pingback: Dica preciosa sobre como parar de sofrer | Roda do Darma

  5. Pingback: Minha mente é muito inquieta. Como parar isso? | Roda do Darma

  6. Pingback: Guia de estudos | A iluminação da sabedoria primordial | Roda do Darma

  7. Pingback: Por que os bodisatvas não se cansam em ajudar os outros? | Roda do Darma

  8. Pingback: #14 | Não afaste a raiva: entenda sua essência mais profunda | Roda do Darma

  9. gabi sencades Responder

    Que massa Roberto! Teu trabalho tá muito lindo e super útil!!! Obrigada por tua dedicação em explicar o Darma. 🙂

  10. Pingback: As três formas de repousar na sabedoria | Roda do Darma

  11. Pingback: 18 | Refúgio e Bodicita – o que fazer quando tudo se desfaz? | Roda do Darma

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *